sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Mulher morre e corpo é enterrado coberto de pipoca em João Pessoa


Um caixão e um corpo coberto de pipocas. O pedido da dona de casa Marlene Alves da Cruz, que morreu na quinta-feira, aos 43 anos, surpreendeu os amigos e todos os moradores da Ilha do Bispo, mas foi atendido pelos familiares, que prepararam 2 Kg de pipoca para cobrir o corpo e jogar o alimento sobre o caixão, durante o sepultamento. O fato causou curiosidade e algumas pessoas, que nem conheciam Dona Marlene, foi até o cemitério da Boa Sentença na manhã desta sexta-feira, dia 21, para ver as pipocas de perto. 

O sobrinho de Dona Marlene, Rodrigo Nascimento, de 28 anos, contou que o pedido da tia não teve relação alguma com o Candomblé, religião de matriz africana, na qual a pipoca tem um significado especial (o alimento era a oferenda predileta do Orixá Omolú, um deus guerreiro e destruidor, chamado “Rei Dono da Terra”, que ficava mais tranquilo quando recebia sua oferenda). “Ela era descendente de africanos, mas a escolha da pipoca, ao invés de flores, não teve nada a ver com isso. Era apenas um desejo dela mesmo e nós respeitamos isso”, explicou. 

Rodrigo relatou que a ideia e o pedido de Dona Marlene aconteceu há cerca de cinco meses, enquanto ela assistia televisão. “Certo dia, estava passando um velório pela TV e minha tia comentou que não gostava de flores e que, quando morresse, queria ser enterrada com pipocas. Quando soube que ela tinha morrido, outros familiares já iam comprar as flores, quando lembrei dessa conversa e falei sobre este desejo dela”, explicou Rodrigo, que pediu que sua prima pipocasse quatro pacotes de milho para serem usados no velório e enterro.


Nenhum comentário:

Postar um comentário